Sempre tive facilidade para me desligar do mundo e me concentrar no que estou fazendo. Com isso criei estratégias pessoais de produtividade e foco. Na época de escola meus amigos diziam que o meu dia tinha 48 horas. De alguma forma conseguir me organizar de uma forma que tinha tempo para tudo e mais um pouco. Durante a época de arquitetura adquiri com isso uma capacidade e agilidade de compreensão de projetos e desenhos criativos e técnicos. As horas rendiam mais e me davam a possibilidade de sair mais cedo e aproveitar o final do dia para me exercitar ou fazer arte (literalmente). Quando decidi mudar a vida de rumo tudo isto serviu muito bem para o trabalho em casa. Fazer home office exige uma disciplina e organização ainda maior. Tudo pode virar uma tentação e distração quando se trabalha perto da cozinha e do quarto. Durante dois anos trabalhei assim, com horários fixos para acordar e para refeições. Tirar o pijama e colocar outra roupa, mesmo que fosse confortável e para ficar em casa, sempre ajudou também. Quando o Marcos e eu decidimos morar juntos, mais responsabilidades no dia surgiram, como cozinhar e lavar roupa. Durante o primeiro ano fomos nos adaptando e acertando para que conseguíssemos novamente alcançar os nossos níveis de produtividade.
Este ano efetivamente tudo parece que entrou no trilho novamente, e este ainda mais eficaz. Ao nos mudarmos para um espaço de co-working tudo se intensificou ainda mais. Embora estejamos rodeados de pessoas das mais diversas áreas, o ambiente proporciona uma maior concentração e produtividade. As pausas são mais agradáveis, sociais e rendem ideias e projetos interessantes também. Entrei oficialmente na Osmose em Maio (ganhei minha caneca hoje que data o meu primeiro dia por aqui). Desde então tenho sentido que as minhas horas rendem mais, dentro e fora do studio. Quando estou focada em algum trabalho parece que tudo em volta desaparece e aquilo se torna o meu único ponto de vista. Linhas surgem de forma natural e fluida e quando saio daquele momento intenso de concentração, olho no relógio e me dou conta que se passaram apenas duas horas, sorrio, pois percebo uma evolução e produção (de qualidade) otimizando o tempo ao seu máximo.
Hoje o dia foi por aqui, no coworking:

6:40 - o despertador tocou. As sextas-feiras parecem se tornar mais difíceis para levantar. A semana intensa vai carregando o corpo e a mente e pulamos sempre da cama para abrir a porta para a Neia, que deixe a nossa casa brilhante e cheirosa antes de todos os finais de semana. Com ela já por ali, vamos fazendo o café da manhã e nos arrumamos para sair.

9:00- Hoje, além da dificuldade de sair da cama, nos sentimos mais lentos também na rotina matinal. Finalmente estávamos prontos para sair e juntos partimos para o Coworking.

das 9:30 ao meio dia - Trabalhei em projetos diversos. Orçamentos, emails, finalizei três telas (menores) para uma cliente e comecei uma grande tela por encomenda.

Almoçamos no lounge do espaço, onde conversamos discutimos ideias para otimizar o espaço, deixando ele mais caloroso e elegante. Outro ponto positivo do coworking é poder compartilhar estas ideias, e colabor(ativamente), melhorar o espaço para todos. Sempre conversamos em grupo e vamos chegando às melhores conclusões. Isto acontece tanto para os ambientes internos como externos também. Recentemente o espaço adquiriu pallets, que estão sendo ajustados para compor o lounge externo. Ainda precisam de algum tratamento e disposição melhores, mas mesmo inacabado já vai transformando a usabilidade pelos co-workers. Interessante observar como todos se movimentam.

das 14:00 às 17:00 - Finalizei a grande tela por encomenda. São os chamados “visual story telling” (contando histórias visualmente) que digo que faço. Um casal foi convidado para um casamento exótico no exterior. Como padrinhos resolveram dar um presente diferente e personalizado. Me contaram sobre o casal e seus hábitos e assim criei uma tela. Ela é única e direcionada para eles. De longe parece uma composição bela, mas ao chegar perto se percebe muitos detalhes que conta a história do casal que irá trocar alianças. Gostaria de me transformar em um pequeno pássaro, do outro lado do mundo, para ver o presente sendo dado.

das 17:00 às 20:00 - Segui com projetos mais gráficos como desenvolvimento de identidade visual e layout de um site. E com isso vou fechando a minha sexta-feira #emosmose (usamos esta hashtag por aqui, para caracterizar os co-workers trabalhando, se conhecendo, se ajudando e trocando - em Osmose).

Depois de uma semana intensa, posso dizer que foi produtiva. Coloquei os meu níveis de produtividade e concentração nos seu níveis mais altos e por isso, decidi, em conjunto com o Marcos deixar o trabalho e as redes por aqui agora, e desligar por pelo menos esta noite. Amanhã estaremos de volta, para mexer no espaço e assistir o curso de uma amiga sobre Cool Hunting.