etiqueta #reciclagem

compostagem doméstica

ser esponja, estar concreto

Regular 1

material recebido do Composta São Paulo

Os grandes centros urbanos sofrem com o descarte inadequado e a reciclagem de materiais, orgânicos ou não. Só na cidade de São Paulo são 18 mil toneladas diárias de lixo que vão para os aterros sanitários e acabam por poluir o solo, os lençóis freáticos e atmosfera. Por mais que sejam implementados programas de reciclagem centralizados, o governo não consegue dar conta de descartar todos os resíduos da forma correta. A solução não é culpar os governantes, mas fazer a sua parte. Aqui no apê já reciclamos todos os resíduos sólidos, reaproveitamos materiais descartados para fazer produtos e mobiliário, e recentemente decidimos embarcar na compostagem doméstica, para reciclar também os nossos resíduos orgânicos. A ideia é descentralizar os processos e tomar conta do próprio lixo.

A compostagem é um processo biológico em que microorganismos transformam a matéria orgânica em composto, adubo natural semelhante ao solo.

Já faz uns 3 meses que implementamos a compostagem doméstica aqui no apê, e agora que já temos experiência suficiente com o processo, é hora de compartilhar nosso ponto de vista sobre este esforço ecológico em prol da sustentabilidade urbana. Lá pelo meio deste ano nós nos inscrevemos no programa Composta São Paulo, idealizado pela Morada da Floresta e realizado pelos mesmos em conjunto com a prefeitura de SP. É o primeiro programa do tipo na nossa cidade, e contemplou 2.000 composteiras domésticas que foram entregues a comunidades, escolas e famílias. Foram mais de 10.000 inscritos interessados em ganhar uma composteira, inclusive nós, do comTijolo, e tivemos a felicidade de sermos escolhidos para participar do projeto.

O primeiro Composta São Paulo merece inúmeros elogios. Apesar de ser uma iniciativca pioneira, o programa foi muito bem estruturado e sua organização oferece, além de todo o material necessário para realizar a compostagem doméstica, website, grupos virtuais, oficinas presenciais e cartilhas impressas com todas as informações possíveis para embarcar nesta empreitada. Todos muito bem pensados e executados. Digo empreitada pois, de fato, existe uma curva de aprendizado considerável para exercer e dominar as técnicas para manter uma composteira saudável dentro do seu domícilio.

A compostagem com minhocas, também conhecida como vermicompostagem, é o processo de transformar restos de alimentos e demais resíduos orgânicos em adubo com o auxílio das minhocas.

Três engradados empilhados, com pequenos furos por suas extensões para permitir a ventilação e deslocamento de minhocas, uma tampa, uma torneirinha e um ancinho, são todos os produtos industriais necessários para a estrutura física da composteira. Um pacote de minhocas e substrato, um pacote com composto sólido e serragem, e um pacote de serragem, são os produtos naturais que vão fazer a engrenagem orgânica funcionar. Tudo isso foi fornecido para nós, durante a primeira oficina do programa, junto com diversas explicações e uma cartilha. Ah, também veio um pote de 240ml de extrato de neem, um repelente natural extraído da poderosa árvore Neem, proveniente do sudeste da Ásia e do subcontinente indiano. Este último item, um plano de contingência no caso da composteira sair do controle e atrair muitas drosófilas, moscas e afins. A montagem foi simples e em cerca de meia hora nossa composteira estava pronta para receber o último - porém não menos importante - elemento: os resíduos orgânicos.

O processo de compostagem é simples. A primeira caixa vai sobre alguma plataforma elevada, para permitir a colocação da torneira ( um tijolo, no nosso caso ), e fica vazia esperando para receber o chorume originado da decomposição . A segunda caixa, que vai no meio, recebe composto, húmus e serragem forrando o fundo da caixa. A caixa do topo recebe o substrato e minhocas e depois a tampa. Na hora de abastecer a composteira, basta retirar a tampa, jogar os resíduos em algum canto e cobrir com serragem ou folhas secas. A composteira aceita qualquer tipo de resíduo orgânico com exceção de limão, carnes, fezes e alguns outros ( mais detalhes nas imagens abaixo ). Após repetir este processo várias vezes durante, em nosso caso, aproximadamente 1 mês, a caixa cheia vai para o meio e a caixa vazia vai para cima e incia-se o processo novamente. Enquanto isso a caixa do meio vai realizar a compostagem naturalmente e depois de mais um mês, praticamente toda matéria orgânica já terá virado adubo, que poderá ser retirado e utilizado para adubar a horta, ou até mesmo doado ou vendido para outras pessoas. Da mesma forma, o chorume, que ficou armazenado na primeira caixa, pode ser retirado pela torneirinha e é um adubo poderoso se utilizado nas proporções corretas.

Considerando nossa alta ingestão de frutas, legumes e outros alimentos naturais, é natural que descartemos uma grande quantidade de todas aquelas partes orgânicas que não utilizamos, como cascas e sementes de algumas frutas e legumes. No primeiro mês, tivemos problemas com drosófilas e ácaros que infestaram a composteira, provavelmente por termos utilizado uma folhagem que não estava totalmente seca, o que aumentou a umidade da composteira. Decidimos descartar a primeira caixa e reiniciamos o processo. Entendemos mais tarde que aquela infestação é recorrente no início de uma compostagem. Atualmente, já enchemos duas caixas e já coletamos o adubo orgânico para utilizar em nossa horta. A compostagem vai de vento em popa, e no momento que viajarmos nestas férias, as minhocas ficarão aqui felizes com bastante alimento para continuar o processo até voltarmos ( se estiver bem carregado, o sistema aguenta até 3 meses sem inserção de novos resíduos ).

É muito gratificante perceber que os sacos de lixo da cozinha, que eram descartados quase que diariamente, agora só precisam ser retirados uma vez por semana. Nossa horta está cada vez mais vigorosa por causa dos adubos e os aterros sanitários da cidade de São Paulo receberão 300 toneladas a menos de lixo orgânico após apenas 5 meses do projeto. Os organizadores já estão planejando uma ação parecida e ainda maior para 2015. Faça sua parte você também.

Regular 2

início da montagem

Regular 3

o tijolo dentro é para resgatar minhocas perdidas

Regular 4

adicionar torneira

Regular 5

adicionar caixa do meio

Regular 6

composto, húmus e serragem

Regular 7

preencher fundo da caixa

Regular 8

caixa de cima

Regular 9

substrato e minhocas

Regular 10

minhocas na caixa de cima

Regular 11

composteira montada

Regular 12

instruções do que a composteira aceita

Regular 13

resíduos orgânicos

Regular 14

serragem e/ou folhas secas

Regular 15

calço de blocos de para a composteira

Regular 16

transporte a composteira para o local definitivo

Regular 17

o local tem que ser arejado e não deve receber incidência direta do sol

Regular 18

detalhe da parte inferior da composteira

Regular 19

composteira após 1 mês de uso

Regular 20

detalhe das minhocas nas laterais durante o processo de decomposição

Regular 21

após cerca de 6 semanas

Regular 22

cerca de 2 meses depois

Regular 24

nível da composteira após cerca de 2 meses

Regular 25

'pente' para separar o composto que servirá de adubo

Regular 26

armazene o composto em algum recipiente

Regular 27

detalhe das minhocas se escondendo durante o 'pente'

Regular 28

1 caixa produziu 2 potes ( de tomate ) de adubo

Regular 29

adicione composto na horta

caramba, uma caçamba: horta vertical

estar concreto

Regular img 20131120 185144 488

caçamba

Levamos nossos dias no apê e projetos profissionais com uma espécie de código de conduta meio que subentendido: reutilizar para reduzir o impacto, criar para impactar. Quem acompanha nosso blog desde o início sabe de todos os nossos esforços neste sentido. Dentro de nossas empresas, estamos sempre buscando inovar para criar projetos inéditos. Já dentro de nossa casa, a busca pela reutilização de materiais é constante. Parecem ser dois conceitos divergentes mas eles são, fundamentalmente, a mesma coisa. Ambos primam por um pensamento ativo diante de nossas escolhas, e buscam deixar marcas positivas ao nosso entorno.

reutilizar para reduzir o impacto

Isto nos serve muito bem, principalmente neste momento de nossas vidas. Como empreendedores iniciantes, temos uma verba reduzida para montar o nosso apê. Quando encontramos objetos descartados pela rua e, com o mínimo esforço, conseguimos atribuir-lhe uma nova utilidade e ao mesmo tempo decorar nossa casa, fazemos desta situação um ganha-ganha para todos. No fim das contas, este pensamento pode, e deveria, ser aplicado por todas as classes sociais, independente de status ou salário no fim do mês. Nossas sociedades aprenderam a evoluir a curto-prazo em grupos não-nômades, mas já ignoraramos por tempo em demasia a sustentação real de nosso estilo de vida nesse planeta, a longo-prazo.

Há um tempo atrás, encontrei uma escada de construção dentro de uma caçamba. Aquele objeto, construído com materiais robustos para aguentar o tranco do trabalho dos pedreiros, mas sem qualquer tipo de projeto de produto, fora claramente criado as pressas para servir um intuito por um certo período de tempo, e depois ser descartado. Estamos falando de um ambiente temporário de obras, onde tal pensamento parece até fazer sentido. Contudo, não é difícil traçar um paralelo com os produtos que usamos todos os dias, que foram criados para durar pouco dentro de suas obsolescências programadas. Carros, celulares, móveis. Todos feitos com materiais complexos, mas fadados a serem descartados em menos de dez anos. É nossa obrigação, como inquilinos deste planeta, encontrar novos usos para estes materiais, e podemos começar com os mais simples, como a madeira da citada escada de construção.

criar para impactar

Peguei a escada, que estava junto com o carretel, e guardei em casa. Quando decidimos o seu destino, tratamos a madeira, e compramos os poucos materiais extras necessários para criar um produto útil, bonito e diferente aqui no apê. Juntamos as orquídeas que ganhamos de amigos, algumas mudas da horta e algumas trepadeiras, e fizemos da escada de construção uma horta vertical. Hoje, a peça está entre a nossa sala de estar e o quarto, compondo um cantinho verde que temos aqui. Noutro dia, durante a sessão de fotos do nosso apê para uma matéria de uma revista bacana ( mais disso, em breve : ), a produtora pirou na escada, e disse que quer fazer dela um produto decorativo num evento de design que será realizado em breve em SP ( mais disto em breve, também ; ).

Qualquer indivíduo é capaz de aplicar estas premissas ao seu dia a dia. A escada descartada que virou objeto útil de decoração com potencial de virar item cobiçado numa feira de design é só um exemplo. Logo, reutilizar para reduzir o impacto e criar para impactar deixa de ser um paradoxo, e torna-se uma atitude mental consciente, plausível de implementação por qualquer um de nós.

Regular img 20131120 185208 894

escada e carretel na caçamba

Regular img 20131120 185836 170

levando para casa

Regular img 20131120 190500 569

limpeza

Regular img 20140528 164231 080

adaptando o material

Regular img 20140528 164644 301

ajustes ( a placa foi achada na rua também ; )

Regular img 20140528 165927 092

vasos para escada

Regular sam 1044

Regular sam 1045

Regular sam 1033

Regular sam 1030

perspectiva

Regular sam 1035

do quarto pra sala

Regular sam 1042

Regular sam 1039

Regular sam 1032

caramba, uma caçamba: mesa de centro

estar concreto

Regular 2014 01 15 18.58.13 1

a protagonista

A sala de estar é o não-lugar mais importante de sua casa. Cito Marc Augé pois, apesar de se tratar de um cômodo importante e, quase sempre, central, passamos a maior parte do tempo fora dele - inventando na cozinha, rolando no quarto, ralando no escritório-casa ou encarando o espelho do banheiro. E a sala? É onde recebemos os amigos, é claro! A sala de estar é como se fosse um oásis em seu apartamento, está sempre lá, bonitinho, limpinho e, de certa forma, distante.

Aqui no apê seria assim, se não fosse tudo a mesma coisa. A varanda faz parte da cozinha, que por sua vez faz parte da sala de jantar que, não obstante, faz parte da sala de estar que também se espalha pelo escritório e pelo quarto que, para terminar a volta, tem também, um braço na varanda. É esse jeito moderninho de ser, tudo, ao mesmo tempo. No meio dessa história tá o banheiro que, se não fosse um lugar de dejetos, seria o cômodo central do apê. Como não é, a função foi delegada a ela, a sala de estar. E o que temos lá? Por enquanto, só um sofá adaptado da antiga cama de solteira da Kalina e uma mesa de centro. De quê? De pallet! Ou seja, o protagonista do palco principal do nosso apê, é um móvel reaproveitado, feito de de madeira de reflorestamento, que encontramos na caçamba em frente a uma farmácia, aqui mesmo, no Panamby.

Este pallet é feito de madeira compensada, o que lhe atribui uma caracterísitca estética interessante. Cuidamos da madeira, daquele jeito que você já conhece, passamos fita crepe nos locais que gostaríamos de manter as ripas de madeira aparente e, com spray de tinta branca fosca, aplicamos o acabamento final. O último toque na peça foram quatro rodinhas na base. Ao invés de gastar quatro dígitos em móveis novos, caros e sem personalidade na Gabriel Monteiro da Silva, montamos uma mesinha única, gastando menos de R$50 na Leroy Merlin.

Ela já está aqui, no meio do oásis, recebendo muitos elogios de nossos amigos e aguardando futuras visitas, para servir de apoio às muitas conversas jogadas fora que ainda estão por vir. Veja aí as fotos e digam-nos se gostaram.

Regular img 20131130 164914 907

pelas caçambas da cidade...

Regular img 20131221 195429 604

depois de limpar, hora de pintar

Regular 2014 01 10 08.52.25

pintada, aguardando verniz

Regular img 20140110 101605 130

kalina na função

Regular img 20140115 134409 225

preparando rodinhas

Regular img 20140115 134503 141

fixando rodinhas

Regular 2014 01 16 14.34.39

livros sobre a mesinha

Regular 2014 01 15 18.56.42

mesa de centro pronta...

Regular 2014 01 16 15.47.58

na sala de estar.

feira de caixote

estar concreto, explorar sem parar

Regular sam 0869

close no caixote

Kalina e eu reciclamos o lixo e produtos descartados para diminuir nosso impacto no mundo. Ao mesmo tempo, através desse blog, estamos tentado impactar também as pessoas de forma positiva para estender este pensamento. O dinheiro, ainda curto, é outro motivo forte para nos virarmos com o que encontramos – e não temos vergonha alguma em admitir isso: a maioria dos países do primeiro mundo tem um dia específico que as pessoas deixam objetos que não utilizam mais na rua e outras pessoas passam pra coletar e dar uso: lê-se economizar, reaproveitar e criar um ciclo sustentável de vida. A cultura tupiniquim ainda é um bebêzinho de fraldas e nós brasileiros ainda temos muito o que aprender.

…mas não se avexe! Se você, como nós, mora por aqui e acha que não se encaixa, não tem porque fugir. Se tem vontade de fazer diferente do que seus amigos fazem, diferente que seus vizinhos fazem ou até mesmo, diferente que sua família faz, basta criar hábitos diferentes. Seja o exemplo de sua comunidade. Não esquenta se por acaso te taxarem de algo depreciativo: você é um pioneiro, um marginal. Logo serás líder.

Achar materiais em caçambas é que nem encontrar diamante no meio da lama. É dificíl de achar e quando a gente vê não dá nada pra aquele treco sujo, coberto de dejetos pela ação do tempo e a primeira vista, feio. É preciso um olho clínico para ver a beleza por trás da poeira e acreditar que aquele material bruto pode se tranformar num produto leve e ir parar no meio da sua sala de estar.

Dentre as caixas, pallets, peças de ferro e outros produtos que podem ser encontrados por aí e reaproveitados, o mais pop do momento é com certeza o caixote de feira. Não é difícil avistar essas caixas de frutas e legumes abandonadas perto de alguma feira de rua ou em alguma caçamba próxima ao ceasa. Estas podem se transformar rapidamente - de lixo marginalizado para um móvel cobiçado – e virar uma estante, nichos de um armário, mesinha de centro, banqueta e muitas outras opções. Se faltar imaginação, o google images sempre dá uma ajudinha.

Vá em frente. Busque, encontre, trate a madeira e faça bom uso de seu móvel hipster. Alguns caixotes já estão prontos por aqui então vou mostrar as fotos do processo todo. Digam-nos se gostaram, ou se por acaso tem outras ideias de como usá-los – ficaremos felizes em aplicá-las. Ou se quiserem um caixote, podemos ajudá-los a fazer ou fazemos um pra vocês. A ideia é reaproveitar e replicar.

Regular img 20131217 104253 097

tratando o caixote

Regular img 20131217 105333 371

uma banqueta?

Regular sam 0866

um deles virou criado-mudo aqui!

Regular sam 0900

o outro, sapateiro pra entrada do apê.

Regular sam 0906

excuse the mess. we just wanted you to feel at home

carretel virou aparador

estar concreto

Regular img 20131120 185208 894

dentro da caçamba da vez

Muita gente me pergunta o porquê de eu pegar tanto “lixo” nas caçambas alheias. Pois bem, ao invés de argumentar um ideal óbvio de reciclagem / sustentabilidade / impactonomundo, vou começar a mostrar os resultados para que vejam com os próprios olhos o porquê, o pra quê e, para quem decidir se aventurar pelo mesmo caminho: o como.

Desde que era um gurizinho, junto sucatas sob minha cama para construir outros objetos. Pote de requeijão, carretel de linha de nylon, caixa de sapato e por aí vai – quem nunca? Bastava um rolo de papel toalha terminado conectado a um carretel de costura pontudo, dois pedaços de papelão para as asas e um pouco de durex pra fazer um avião a jato pau a pau com os da força aerea americana. Acontece que por algum desvio irreparável em minha educação, eu não parei de fazê-lo: cursei desenho industrial e dentro de uma oficina, dei asas mais parrudas à minha imaginação para a execução de inúmeros projetos. Agora, o projeto é o nosso apê.

Não tem jeito, para ter boas ideias, você precisa mergulhar de cabeça em qualquer que seja o projeto – é assim com tudo na vida. Logo que decidimos mudar juntos, deu um estalo na minha cabeça e lá estava eu juntando material para construir móveis e outras utilidades para nosso futuro apartamento - só que agora já não cabiam de baixo de minha cama.

Logo neste começo, encontrei um carretel daqueles de fios de energia em uma caçamba próxima a uma construção e não pensei duas vezes: joguei tudo pra dentro do vermelinho pau-pra-toda-obra e levei pra casa. Kalina ainda estava na Europa e o nosso apê ainda era um sonho distante – e eu não tinha ideia do que aquilo viraria, mas tinha certeza que para algo serviria. Alguém se identifica com esse sentimento? Costuma preceder até casamentos.

Kalina voltou, o apê virou realidade e, depois de tratarmos a madeira, o carretel se transformou, por enquanto, num ótimo aparador de cozinha. Ele está sendo essencial para dar um ar de lar para nosso cantinho. Veja aí todo o processo.

Regular img 20131120 185144 488

puta que o pariu pisa no freio zé!

Regular img 20131120 185836 170

coube tudo no vermelinho - carretel no porta-malas e escada no rack.

Regular img 20131120 190535 069

lavagem pré tratamento

Regular sam 0881

carretel sendo utilizado aqui em casa

Regular sam 0875

se não fosse ele, nossas frutas estariam no chão

Regular sam 0879

carretel aparador de cozinha

Regular sam 0892

carretel aparador

Regular sam 0894

detalhe do primeiro andar

um toque de madeira

estar concreto

Regular tree

uma árvore

Você não precisa ser um marceneiro para gostar, tratar e preservar objetos feitos de madeira. Na verdade, todos nós deveriamos nos formar pequenos marceneiros logo no primário. A mesa do seu computador, o seu criado-mudo, seu lápis, o salto do seu sapato: tudo de madeira. As árvores estavam aqui muito antes da gente e continuam ali, na praça da esquina da sua casa – ainda que algumas estejam sufocando. Ela é provavelmente a matéria prima mais presente no seu apê e, ainda assim, nós não sambemos absolutamente nada sobre as madeiras – a não ser que aquela escura mais avermelhada é o carvalho.

Aprender sobre as árvores e como manusear a madeira é essencial para a preservação do meio ambiente como o conhecemos - sim, isso também é reciclagem. Não é só o Pau-brasil que está desaparecendo: o perigo de extinção de diversas espécies é real e, muitas vezes, ignorado. Imbuia, Araucária, Mogno, Jacarandá –sei que você já ouviu falar, mas sabia que são espécies ameaçadas? Para frear o desmatamento das florestas podemos plantar hectares e mais hectares de florestas destinadas à serra elétrica, mas a única forma de preservarmos a biodiversidade das plantas de grande porte do planeta, é arregassando as mangas e preservando aquilo que já foi extraído.

Como designer de produto, posso afirmar por experiência que a madeira é um dos materiais mais versáteis que conhecemos. Sua rigidez, porosidade, maleabilidade e beleza são extremamente úteis para nosso dia a dia. Na mesma linha, os objetos feitos com esse material apresentam infinitas possibilidades: um lápis pode prender o rabo de cavalo da colega da mesa ao lado, uma caixa de feira pode virar banquinho de prosa, um pallet pode estruturar a base de sua cama. Qualquer que seja a intenção, você precisa de algumas poucas ferramentas para ser capaz de fazer, consertar e adaptar praticamente qualquer objeto de madeira.

Visitamos a C&C esses dias e, como de costume, nos perdemos por horas nessa mega-loja de praticamente tudo que possa imaginar de, justamente, casa e construção. Não fomos com o intuito de comprar somente as ferramentas necessárias para trabalhar com madeira, mas foi basicamente isso que constituiu nossa compra. Para cuidar dos objetos que ando caçando pelas caçambas da cidade e também aqueles que encontramos em lojas de antiguidades, compramos um martelo, serra, alicate, pregos, várias lixas, rolos e pincéis, cola, pesticida e verniz. No final gastamos R$250 em itens que vão trazer uma economia de milhares de reais em objetos e móveis, e de quebra, vão ajudar-nos a fazer a nossa parte para salvar a natureza.

Regular img 20131217 094443 360

itens para lidar com madeira

Regular img 20131217 104309 888

restaurando um antigo caixote de feira

caramba, uma caçamba!

estar concreto

Regular 2013 11 02 13.15.25

Marcos sobre a pilha de lixo que produzimos todos os dias

Você gera em torno de 1,223 kgs de lixo por dia. Enquanto os lixos transbordam e as caçambas se multiplicam, percebi que posso utilizar a megalomania do cidadão comum em nosso favor. Cada caçamba é uma surpresa diferente: o nosso futuro ap pode ganhar um móvel novo, nossa conta bancária uns dígitos a mais e o planeta terra uns lixos a menos.

Para sustentarmos o baby-boom da classe C e a ascensão desvairada da classe média brasileira, nós estamos produzindo um índice seis vezes maior de lixo do que o de crescimento populacional. Abre a tampa do lixo e amassa aquela massa pra caber um pouco mais, para chegar nos seus 450 kgs por ano, que é o tanto de lixo que você vai produzir no decorrer deste ano. A gente produz, consome e descarta sem pensar nas consequências ambientais. Tem uns fulanos que vão protestar dizendo que já fazem até a coleta seletiva - ei amigo, separar o lixo orgânico do reciclável em lixeiras de cores felizes é legal, mas não o suficiente. Nós precisamos parar de multiplicar e começar a dividir, pois mais que uma ação, a reciclagem é um pensamento ativo.

[ O Partido Verde, que mantêm um blog interessante sobre suas políticas, publicou um artigo interessante sobre estes índices da produção de lixo e algumas políticas em torno deste problema. É de lá que tirei alguns dados expressos aqui e aonde você pode encontrar mais números sobre o tema. ]

A sociedade de consumo mostra as suas garras e você se submete, acanhado. Pra quê trocar de carro a cada dois anos? Pra quê pegar os panfletos de lançamentos imobiliários em todos os semáforos se nem está procurando um ap? Pra quê usar mil sacolas plásticas pras compras do mercado? Pra quê usar canudinhos no seu copo de suco? Sim, o mínimo detalhe importa pra sua conta de lixo fechar em baixa no final do ano, mas não vou ficar listando alternativas aqui, porque ninguém é cego para as soluções - somos no máximo preguiçosos.

No meio disso tudo, Kalina e eu fazemos um esforço tremendo pra amenizar o impacto de nossas pegadas pelo mundo ( na questão do lixo, é claro ; ), enquanto pensamos e planejamos o nosso apê. Nossa procura por bons produtos e materiais de boa qualidade dificultam esse processo, mas por outro lado, nosso gosto pelo minimalismo e por aqueles itens vintages da casa da vovó, equilibram esta balança. Neste pensamento, sigo vasculhando as caçambas alheias em busca de coisas interessantes. Assim que eu der um rumo para estas aí da foto, mostrarei aqui no blog o que podemos fazer com tais descartes. Quem sabe, se eu tiver sorte, as mesmas pessoas que jogaram estas coisas no lixo vão querer comprar alguns produtos revitalizados “super modernos!” e não vão nem se dar conta do que aconteceu.

Regular img 20131018 164227 484

pós triagem em uma caçamba no Morumbi

Regular img 20131018 175605 420

trate de lavar bem o que achar

Regular img 20131019 105825 586

novos itens ao sol, aguardando destino

ilustrações por kaju.ink
catalisado por person.agency