Você gera em torno de 1,223 kgs de lixo por dia. Enquanto os lixos transbordam e as caçambas se multiplicam, percebi que posso utilizar a megalomania do cidadão comum em nosso favor. Cada caçamba é uma surpresa diferente: o nosso futuro ap pode ganhar um móvel novo, nossa conta bancária uns dígitos a mais e o planeta terra uns lixos a menos.

Para sustentarmos o baby-boom da classe C e a ascensão desvairada da classe média brasileira, nós estamos produzindo um índice seis vezes maior de lixo do que o de crescimento populacional. Abre a tampa do lixo e amassa aquela massa pra caber um pouco mais, para chegar nos seus 450 kgs por ano, que é o tanto de lixo que você vai produzir no decorrer deste ano. A gente produz, consome e descarta sem pensar nas consequências ambientais. Tem uns fulanos que vão protestar dizendo que já fazem até a coleta seletiva - ei amigo, separar o lixo orgânico do reciclável em lixeiras de cores felizes é legal, mas não o suficiente. Nós precisamos parar de multiplicar e começar a dividir, pois mais que uma ação, a reciclagem é um pensamento ativo.

[ O Partido Verde, que mantêm um blog interessante sobre suas políticas, publicou um artigo interessante sobre estes índices da produção de lixo e algumas políticas em torno deste problema. É de lá que tirei alguns dados expressos aqui e aonde você pode encontrar mais números sobre o tema. ]

A sociedade de consumo mostra as suas garras e você se submete, acanhado. Pra quê trocar de carro a cada dois anos? Pra quê pegar os panfletos de lançamentos imobiliários em todos os semáforos se nem está procurando um ap? Pra quê usar mil sacolas plásticas pras compras do mercado? Pra quê usar canudinhos no seu copo de suco? Sim, o mínimo detalhe importa pra sua conta de lixo fechar em baixa no final do ano, mas não vou ficar listando alternativas aqui, porque ninguém é cego para as soluções - somos no máximo preguiçosos.

No meio disso tudo, Kalina e eu fazemos um esforço tremendo pra amenizar o impacto de nossas pegadas pelo mundo ( na questão do lixo, é claro ; ), enquanto pensamos e planejamos o nosso apê. Nossa procura por bons produtos e materiais de boa qualidade dificultam esse processo, mas por outro lado, nosso gosto pelo minimalismo e por aqueles itens vintages da casa da vovó, equilibram esta balança. Neste pensamento, sigo vasculhando as caçambas alheias em busca de coisas interessantes. Assim que eu der um rumo para estas aí da foto, mostrarei aqui no blog o que podemos fazer com tais descartes. Quem sabe, se eu tiver sorte, as mesmas pessoas que jogaram estas coisas no lixo vão querer comprar alguns produtos revitalizados “super modernos!” e não vão nem se dar conta do que aconteceu.